Matérias

10 de abril de 2017

Câncer de mama? Os fatores de risco que não podem ser evitados

Rastreamento periódico é indicado como forma de prevenção para pessoas que se enquadram em um ou mais grupos com maior propensão à doença

Câncer de mama? Os fatores de risco que não podem ser evitados

A cada 10 minutos, estima-se que uma mulher seja diagnosticada com a doença. Segundo pesquisas, aproximadamente 50% das pacientes atendidas pelo serviço público descobrem a doença já em estágios mais avançados, também conhecido como metastático.

O câncer de mama atinge cerca de 58 mil mulheres no Brasil, segundo o Instituto Nacional do Câncer - INCA. No caso das sulistas, 25% são acometidas pela doença, quase um quarto da população. A fim de prevenir, os principais institutos de oncologia do país elegeram fatores de risco a serem evitados, tais como o álcool, vida sedentária e obesidade, entre outros. Esse alerta pode ajudar a reduzir o número de diagnósticos na fase metastática da doença, que é quando o tumor se espalha a partir do lugar onde se inicia para outro local do corpo.

Entretanto, existem aqueles que não possibilitam resguarda, os chamados fatores de risco não modificáveis. Apesar de não afirmarem que a mulher terá câncer, ajudam a alertar as pessoas nesses grupos para maior atenção aos sintomas e sinais do câncer de mama, como a priorização do acompanhamento médico e realização de exames preventivos.

O INCA os classifica de duas maneiras: Fatores endócrinos ou relativos à história reprodutiva e fatores genéticos/hereditários. Os fatores endócrinos são os causados por estímulos produzidos pelo estrogênio (hormônios) como acontece na menstruação precoce, na menopausa tardia, aquelas que têm a primeira gravidez após os 30 anos ou as que não têm filhos. Os fatores hereditários estão relacionados à presença de mutações em determinados genes transmitidos na família, especialmente BRCA1 e BRCA2, como o caso da atriz Angelina Jolie, que retirou as mamas em 2013.

No entanto, o Instituto Oncoguia ainda adiciona mais alguns fatores de risco na lista dos itens que necessitam de atenção. Mulheres acima de 55 anos têm mais chances de desenvolver câncer de mama invasivo. Do ponto de vista étnico, no geral, as mulheres caucasianas têm mais tendência a desenvolver câncer de mama do que as negras. Porém, em mulheres com menos de 45 anos, a doença é mais incidente em negras. Outro fator que merece atenção são as mamas densas. Além disso, outras doenças benignas da mama, como nódulos ou lesões, podem estar relacionadas ao desenvolvimento de tumores.

“Estar no grupo de risco é um alerta para que a paciente seja a mais cuidadosa possível e evite os agravantes modificáveis, mas não isenta as que não estão nele”, explica Maikol Kurahashi, oncologista da Santa Casa de Curitiba. O câncer de mama é um tumor maligno que mais acomete as mulheres em todo mundo. A doença se desenvolve nos seios e que caracteriza por um crescimento rápido e desordenado de células. “As chances de cura do câncer de mama chegam a 95% se for diagnostica precocemente”, diz o especialista.

A cada 10 minutos, estima-se que uma mulher seja diagnosticada com a doença. Segundo pesquisas, aproximadamente 50% das pacientes atendidas pelo serviço público descobrem a doença já em estágios mais avançados, também conhecido como metastático. “Os órgãos mais frequentemente atingidos são: ossos, pulmões, fígado e cérebro”, explica o especialista.

Para o oncologista, o monitoramento precoce nessas mulheres pode evitar que o diagnostico seja feito apenas na fase avançada da doença. Atualmente, o câncer de mama metastático HER2 positivo, um dos mais agressivos entre os quatro subtipos da doença, representa de 20% dos casos de câncer de mama – ou seja, atinge aproximadamente 11 mil mulheres por ano, no Brasil.  

Dr. Kurahashi esclarece, ainda, que as perspectivas da ciência trouxeram novas soluções contra o câncer de mama nas diferentes fases da doença. Na fase mais avançada da doença, a metastática, por exemplo, já existe alternativas de tratamento que controlam o tumor. Por meio das terapias-alvo, é possível atacar especificamente as células cancerígenas, impedindo a progressão da doença, proporcionando mais tempo e qualidade de vida às pacientes.

O monitoramento precoce pode ser feito ao estimular a consulta anual ao médico com realização periódica da mamografia, para mulheres a partir de 50 anos se não houver histórico familiar, ou no aparecimento particular de qualquer sinal ou sintomas, ainda são elementos fundamentais para diminuir o número de casos e impacto na vida das mulheres.

Fonte: INCA

Imprimir Enviar por email
  • Banner
  • Banner
  • Banner